salsaA salsa, salsinha ou perrexil, é uma planta herbácea, proveniente da zona mediterrânea central (sul de Itália, Argélia, Tunísia), naturalizada em toda a Europa e cultivada como erva, tempero, e vegetal.

São reconhecidos os benefícios da salsa na saúde, mas como acontece com todas as ervas e plantas, o seu efeito na saúde humana, requer um consumo frequente e de longa duração.

As folhas da salsa, são ricas em vitaminas, como a vitamina A,  B1, B2, C e D, mas só se forem consumidas em cru, pois uma vez cozinhada, a salsa, perde parte dos seus componentes vitamínicos. Além de ser uma fonte rica em vitaminas, também são atribuídas à salsa, propriedades medicinais, destacando-se a ação anti-oxidante e expectorante.

O cultivo da salsa é muito fácil e pouco exigente, sendo também por isso “presença habitual” num vaso ou num canteiro, de cada família. Na verdade, esta é uma planta que se cultiva há mais de 300 anos, sendo uma das ervas aromáticas, mais utilizadas na gastronomia mundial.

A salsa, tanto se dá  no verão como no inverno, desde que resguardada do frio intenso, por exemplo colocá-la dentro de casa junto à janela, aguenta bem oscilações de temperatura, mas pode ser sujeita a pragas, por isso colocar o cebolinho ao lado, pode ajudar na prevenção. Uma vez florescida, dá-se a maturação das sementes e no final a morte da planta, por isso é aconselhável a alteração frequente do local de cultivo da salsa.

Contra indicações da Salsa

A salsa é segura e faz bem em quantidades normais de alimento a toda a gente, no entanto as gestantes, devem ter a atenção de não consumir grandes quantidades de salsa, uma vez que pode ter o efeito indutor do parto.

Apesar de uma das propriedades da salsa ser a anti-inflamatória, quem sofre de inflamações agudas internas não a deve consumir

O óleo essencial da salsa, apiol, é considerado tóxico, logo o seu uso deve ser evitado deixando essa utilização para as indústrias especializadas que sabem com que quantidades devem lidar de forma a evitar o risco de contaminação.