CaféOs Portugueses tem por hábito convidar para tomar um “cafézinho”, e a verdade, é que se não cairmos no exagero, este é um convite que dá saúde :)

A consumo de alimentos que contêm cafeína é feito já há milhares de anos, e julga-se que a planta que fornece os grãos de café, o cafeeiro, terá sido inicialmente usado na Etiópia.

A cafeína, é um alcalóide, encontrado em várias plantas como grãos de café, folhas de chá, frutos de guaraná, e no cacau, e que é usado em muitas bebidas como estimulante, em remédios e até na estética.

É verdade, que a cafeína aumenta o estado de alerta e a velocidade de processamento de informação, características estas, muitas vezes procuradas para quem quer estudar mais horas, conduzir mais tempo, ou pretende apenas elevar a força anímica para começar o dia.

No entanto, os principais benefícios da cafeína verficam-se com um consumo regular e moderado, e os estudos mais conclusivos acerca destes efeitos incidem essencialmente sobre o café.

O café é extremamente rico em antioxidantes, destacando-se os compostos fenólicos e o ácido clorogénico. Num estudo publicado no “Journal of the American Medical association”, os cientistas verificaram que a capacidade anti-inflamatória de alguns componentes do café, está relacionado com uma menor incidência de cirrose hepática e alguns tipos de cancro, principalmente o cancro do fígado e o do colorretal.

Este estudo mostra também que o consumo regular de café, diminui substancialmente o risco de aparecimento de Diabetes tipo 2, doenças de Alzheimer e Parkinson, isto porque o café é uma fonte muito rica em antioxidantes, que controlam a deterioração das células.

Grávidas, crianças e adolescentes devem evitar o consumo de cafeína, pois a sua capacidade de a metabolizar é menor, e devemos ter presente que hoje em dia a cafeína não se encontra apenas no café,mas também nos refrigerantes à base de cola, guaraná ou chá, bebidas muito procuradas pela maioria dos jovens.

O café, como tudo na vida, deve ser tomado com moderação (cerca de 3 por dia), se não em vez de sentirmos os benefícios reais na nossa saúde, pelo contrário, sentimos o reverso da medalha, o excesso de ansiedade, excitação, nervosismo e insónia.