David Servan-Schreiber, partilha no seu livro anti cancro uma nova maneira de viver,a importância do toque na cura da doença. Algo conhecido e explorado há milhares de anos pelo mundo oriental, nos vários tipos de massagem que praticam, na shantala, massagem específica para bebés, no shiatsu entre outras.

“…-Tocar-explica a Dra Remen-é uma forma muito antiga de curar. Tocar como uma mãe tocaria um filho, pois o que uma mãe uma mãe diz através do seu toque é vida…”

Linda esta frase :) mas verdadeira também. Em unidades de cuidados intensivos para bebés prematuros a partir da década de 1980, o toque para estimular a vida, ganhou uma importância significativa. Apesar de todas as condições físicas externas, como a temperatura, oxigénio, luzes ultra violeta, ou o ambiente esterilizado serem perfeitamente controladas, era frequente os pequenos e frágeis seres não crescerem. O contacto físico com os bebés prematuros, era desaconselhado e evitado. A verdade é que uma enfermeira do turno da noite, não resistiu ao choro dos bebés e descobriu que os conseguia acalmar afagando-lhes suavemente as costas. De início, ninguém percebeu porquê, mas as crianças expostas ao seu toque começaram a crescer.

Na Universidade de Duke foram realizadas experiências de toque com ratos bebés, e demonstrou-se a base biológica deste fenómeno. A partir destas experiências podemos concluir que muito provavelmente um contacto físico “com amor”, uma massagem praticada com uma intenção benevolente, estimula a força de vida nos humanos e não apenas num nível emocional mas também ao nível biológico no interior das células.

Foram estudadas as reações físicas e emocionais, dos efeitos de massagens de 30 minutos, realizadas com alguma frequência (3x por semana), em mulheres que padeciam de cancro de mama, e verificou-se que reduziam a produção de hormonas de stresse e aumentavam o índice de células NK. A nível psicológico, estas mulheres adquiriam uma maior serenidade, e sentiam menos dor física logo após a primeira semana.

O nosso corpo é muito importante, nasceu para ser amado e respeitado e a melhor forma de o fazer sentir apreciado e vivo é deixá-lo praticar movimento, actividade física e claro alimentá-lo como deve ser, tentar consumir alimentos contra o cancro . Já está também demonstrado, que os mecanismos de regulação e de defesa para combater o cancro, podem ser estimulados pelo exercício.