O ácido úrico é um composto orgânico, encontrado na urina em pequenas quantidades, e que também se encontra presente no sangue. Normalmente as pessoas que  fazem uma alimentação vegetariana apresentam  níveis de ácido úrico no sangue, um pouco mais elevados do que quem come de tudo inclusive a carne e o peixe ,mas nada de anormal.

Elevados níveis de ácido úrico no organismo, trazem normalmente problemas  muito dolorosos, por exemplo a conhecida doença chamada gota, que atinge na sua maioria o sexo masculino, e que tem uma maior incidência na faixa etária dos 40 e 50 anos, é a denominação associada a níveis anormais (elevados), de ácido úrico no sangue, e é resultante da deposição de cristais nos tecidos e articulações.

Existem vários tratamentos para fazer baixar o ácido úrico no sangue, desde os químicos receitados pelo seu médico aos naturais que passam pelos alimentos. Não estamos aqui a fazer juízos de valor e como tenho dito, deve sempre conversar com o seu médico antes de optar por um ou outro tratamento.

Quem já padeceu de doenças graves como o cancro sabe com certeza que a alimentação tem uma importância extrema na prevenção das doenças a nível geral, assim aqui fica o conselho de alguns alimentos a que deve recorrer se sofre de ácido úrico. Os tremoços preparados (cozidos e lavados) como anteriormente vimos no artigo benefícios dos tremoços, são muito mais que um aperitivo agradável, na verdade os tremoços também combatem a diabetes e os tremoços também combatem o ácido úrico.

Á quem defenda vivamente, que os erros alimentares são considerados um dos principais responsáveis pela formação dos cristais de ácido úrico nas articulações. Assim, deve incluir na sua alimentação, tremoços, laranjas, melancia, morangos, tangerinas, alho, abóbora e sumo de agrião com limão e cenoura.

O alho deve ser ingerido em água, isto é deve amassar 3 dentes de alho e deixá-los de molho num copo de água durante a noite. No dia seguinte deve beber a água. A abóbora deve ser tomada em sumo, 2 chávenas uma de manhã e outra à noite. (Estas duas receitas foram tiradas do livro Viva Melhor com a medicina do lar de António J. Leal Chaves)